Na volta para o Barradão: Vitória vence o Oeste por 3×1 e deixa o Z4

0

No dia do seu retorno simbólico, o principal camisa 9 do Leão fez toda a diferença. Não se trata de Anselmo Ramon ou Jordy Caicedo. O verdadeiro artilheiro do Vitória é o Barradão. Em casa, o rubro-negro alcançou o resultado e o melhor efeito possível: 3×1 sobre o Oeste, pela 27ª rodada da Série B, e saída da zona de rebaixamento.

Beneficiou o Leão o empate do Criciúma em casa, também na noite desta terça-feira (8), por 2×2, contra o Brasil de Pelotas. Com isso, o Vitória chegou a 29 pontos e fechou a rodada em 16º lugar. A pontuação é a mesma do Vila Nova, 17º, que tem um triunfo a menos.

O Vitória entendeu a importância do jogo desde cedo. Dominou o primeiro tempo e, depois de muito insistir, saiu na frente com Felipe Garcia aos 32 minutos. O domínio seguiu na etapa final. Com apenas dois minutos, Jordy Caicedo aproveitou rebote e fez 2×0. O equatoriano ampliou aos 23 e Willian Rocha diminuiu aos 24.

Resultado: a torcida terminou o jogo cantando “o Barradão voltou”, em claro apoio ao retorno do time ao estádio, depois de ter assinado contrato para jogar a Arena Fonte Nova até dezembro de 2022.

Com o 3×1 sobre o Oeste, o Leão encerrou o jejum na Série B que já durava cinco partidas. Acumulava três derrotas e dois empates.

Além disso, foi a primeira vitória do técnico Geninho no comando. Ele agora tem quatro partidas à frente do time.

O retorno por cima ao Barradão veio após praticamente um mês na Arena Fonte Nova. O contrato foi assinado em 9 de setembro, e o primeiro jogo lá foi no dia 14 – derrota por 1×0 para o Guarani.

O Leão teve mais dois empates lá: 2×0 com o Atlético-GO e 2×2 com o Sport.

O próximo duelo em casa já está marcado para o Barradão por conta de eventos na Fonte Nova. O Leão pega o Londrina no dia 18, às 21h30.

Antes, tem dois jogos fora de casa. Na sexta-feira pega o Cuiabá, às 21h30, e na terça visita o Criciúma, às 19h15.

Domínio
A primeira etapa foi de um time só. O rubro-negro baiano marcou forte e partiu para o ataque com uma desenvoltura que ainda não havia mostrado com Geninho.

Logo aos 10 minutos, Gedoz acionou Van na direita. A bola raspou a trave. Aos 16, o estreante Carleto achou Wesley na quina esquerda da área. Ele chutou colocado, porém raspou de novo a trave.

O gol mais perdido veio aos 19. Van foi lançado na direita e cruzou. Caicedo subiu bonito, mas cabeceou torto, para fora. Aos 21, Carleto recebeu na entrada da área e finalizou; a bola saiu rente à trave.

Aos 32, a pressão finalmente surtiu efeito. Lucas Cândido disputou a bola na esquerda, foi à linha de fundo e cruzou. Felipe Garcia apareceu na pequena área e marcou.

Em casa
Após abrir o placar, o Vitória se resguardou até o intevalo. Na volta dos vestiários, a mesma atitude demonstrada no primeiro tempo. Com dois minutos, já estava à frente.

Wesley se enrolou com a marcação, Lucas Cândido ficou com o rebote e arriscou o chute da entrada da área. Luís Carlos deu rebote e Caicedo, esperto, ampliou: 2×0.

O Oeste tentou se lançar ao ataque. Limitado, o time não conseguiu assustar e deu espaço ao Vitória jogar agora no contra-ataque.

Aos 15, Van tabelou com Felipe Garcia, entrou na área e mandou por cima do gol. E aos 23, saiu o terceiro: Wesley recebeu na esquerda, chutou e o goleiro pegou. De novo no rebote, Caicedo aproveitou.

O Oeste deu um pequeno susto logo no minuto seguinte. Relaxada, a defesa do Vitória não viu o domínio de Fábio na área, que girou e chutou. Martín deu rebote, Alyson cruzou e Willian fez.

Claro que na cabeça do torcedor rubro-negro mais inseguro veio à mente a lembrança do último jogo, quando o Leão tinha 2×0 de vantagem no placar e deixou empatar em 2×2. Mas as experiências ruins estão aí para isso: aprender e não repetir.

Resultado final: três pontos a mais num momento decisivo da Série B e, pelo menos por enquanto, paz na tabela.

 

Correio