Larco é eleita a 3ª maior empresa com sede na Bahia e a primeira entre as 10 em rentabilidade no setor de petróleo e gás, aponta ranking nacional

0

De acordo com o balanço divulgado no Anuário Valor 1000 em 2021, a distribuidora de combustível Larco Petróleo continua sendo uma das 1000 empresas mais influentes do Brasil. Na atual edição, a instituição teve excelente desempenho no setor de petróleo e gás, a nível nacional e também na região Nordeste, além de  ocupar o 1º lugar entre as 10 em rentabilidade, critério que mensura percentualmente o lucro líquido sobre o patrimônio líquido, sendo seguida por Sulgás, Vibra Energia, CEG e Gasmig. Consagrada a 3º maior empresa com sede na Bahia, a distribuidora fica atrás apenas da Braskem e da Suzano. Dessas, é a única com origem baiana, já que as outras duas foram fundadas em São Paulo. 

No Nordeste, ainda se destacou com a 4ª posição entre as melhores e a 12ª colocação entre as 50 maiores empresas da região, com uma variação positiva de 20,4 % de uma receita líquida de 4.372,5 bilhões de reais, ficou em 3º lugar entre as 10 em giro de ativo; o 4º lugar na Classificação Geral e o 5º lugar em crescimento sustentável Criada na Bahia, a distribuidora construiu uma trajetória de sucesso nesses 21 anos desde a sua fundação e hoje ocupa a 180ª colocação no ranking da publicação, 16 posições acima em relação ao ano anterior. 

Para o diretor executivo da empresa, Alberto Costa Neto, esse desempenho é resultado do plano estratégico de expansão da distribuidora, que, todo ano, registra um crescimento em torno de 20 a 25%, mesmo em períodos difíceis, seja pela pandemia do coronavírus ou pelo cenário político-econômico. “Nossa busca contínua é sempre melhorar em cima dos resultados, mas, é claro, que com responsabilidade, organização e se antecipando a movimentos de mercado” declara o gestor, que ainda conta que o segredo da Larco é o empenho e dedicação de uma equipe focada. “O ano de 2020 foi muito especial para a instituição, não só pelas superações que nós tivemos em termo de resultado, mas pela readequação e reestruturação. Em nenhum momento deixamos de atender o mercado, pois sabemos de nossa responsabilidade neste momento de pandemia”, conclui.