Deputado Jacó repudia ato de racismo cometido em bar no Rio Vermelho

0

O deputado estadual Jacó (PT) afirmou por meio de Nota Pública, nesta quarta-feira (13), que repudia e está indignado com o ato de violência e racismo sofrido pelo militante do movimento negro e assessor do mandato na Assembleia Legislativa no Estado da Bahia, Roque Peixoto. Disse também que pretende acionar o Ministério Público e demais autoridades competentes para que responsabilizem os agressores. “Racismo é crime, racismo mata!”.

De acordo com Roque, o caso ocorreu na noite passada, no bar “O Mais Amado”, localizado no Largo da Mariquita (Rio Vermelho), porém, o estabelecimento negou (veja a nota no final da reportagem). Em publicação no Facebook, Roque mostrou o rosto com as marcas das agressões cometidas por seguranças e contou que ele e a namorada estavam a caminho do ponto de ônibus, quando pararam no estabelecimento para usar o banheiro.

“Ao ouvir piadas das mais escrotas e olhares daqueles que qualquer preta ou preto sabe do que se trata, questionei. Resultado: fui agredido pelas costas de forma covarde, boca quebrada em três lugares, mão esquerda com escoriações mão direita com dores, joelho deslocado e muita violência ao ponto de quando Belle saiu do banheiro, os garçons a agarraram para que ela não pudesse separar tamanha violência que sofri”.

A Coordenação Nacional de Entidades Negras (CONEN) também soltou uma nota contrária às agressões, em defesa do companheiro – militante histórico do movimento negro, membro da direção, que sempre dedicou sua vida à luta antirracista e pelos direitos humanos – e uma convocatória para um Ato de Repúdio nesta quinta-feira (14), às 18h, na porta do estabelecimento.

Nota O Mais Amado Boteco

“Informamos que as agressões físicas e verbais sofridas por Roque Peixoto e Isabelle Lamenha não ocorreram no O Mais Amado Boteco. O fato ocorreu no estabelecimento ao lado do O Mais Amado Boteco, sem a participação de quaisquer de nossos funcionários.. Lamentamos o acontecido e repudiamos veementemente quaisquer tipos de agressão física ou verbal. Nos solidarizamos às vítimas e estamos à disposição da justiça para ajudar nas investigações. A discriminação racial é um ato desprezível e os responsáveis pela barbárie terão de ser responsabilizados e punidos”.

 

Informe Baiano