Esperança: Maior parte das pessoas com Covid-19 desenvolve anticorpos, mostra estudo

0

A imunidade adquirida ou não após a infecção pelo novo coronavírus é uma das perguntas centrais no debate atual da pandemia do novo coronavírus, ainda sem muitas respostas. Um grande estudo com pessoas de Nova York que tiveram Covid-19 traz o que parece ser uma boa notícia: a maior parte das pessoas infectadas desenvolve anticorpos.
O estudo, financiado pelo Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (Niaid, na sigla em inglês) e ainda não revisado por outros pesquisadores não envolvidos na pesquisa, analisou 1.343 pacientes com Covid-19 confirmada em testes ou com sintomas autodeclarados da doença. Praticamente todos tiveram sintomas de leves a moderados e só 3% tiveram que ir a um pronto-socorro.
Entre 26 de março e 10 de abril, uma parte das pessoas que fizeram parte do estudo fez testes do tipo PCR (o mais preciso) e outra parte fez testes de detecção de anticorpos. Todos que participaram deveriam já estar assintomáticos

Dos 1.343 pacientes, 624 tiveram confirmação da Covid-19 por PCR. Nesse grupo, 511 tinham altos níveis de anticorpos presentes (o que os tornava também possíveis doadores de plasma sanguíneo para pacientes ainda afetados pelo novo coronavírus, uma opção terapêutica em estudo), 42 tinha níveis fracos e em 71 não foram detectados os anticorpos.

Os pesquisadores da Escola Icahn de Medicina Monte Sinai então voltaram a testar 64 das pessoas com fraca presença dos anticorpos ou nas quais tais defesas não foram encontradas. Observaram que 57 delas tinham tido aumento de anticorpos entre os dois testes (um intervalo de tempo médio de 13 dias). Ao todo, nesse subgrupo, somente quatro pessoas permaneceram com presença fraca de anticorpos e três continuaram como negativos para a presença da proteção.
Já entre os 719 pacientes sem confirmação por testes de Covid-19, 250 apresentavam altos níveis de anticorpos, 19 tinham níveis fracos e 436 deram negativo para a presença deles —o que, segundo os pesquisadores, indicaria que essas pessoas na verdade não estavam infectadas, que os testes de detecção de anticorpos falharam.